O latido é um grito comum? Vida Sim

O latido envolve diferentes sons que representam outras tantas mensagens a serem decodificadas. Muito jovem, ele geme por uma multidão de pretextos: está com frio, está com fome, está com dor, está só ou com vontade de defecar. Para a mãe à qual não para de pedir socorro, lança gritos de desespero e, como para variar seu repertório, mia. Às vezes, lança gritos mais agudos, antes de rosnar … de satisfação!

Mal sabe rosnar, com menos de oito dias, e já vocaliza, queixa-se, choraminga, protesta. Entre cachorros, um leva o outro. Aos nove dias, os ruídos alcançam seu máximo nível, mas que mudança no dia seguinte: o jovem cão late pela primeira vez.

Quanto mais cresce, mais utiliza a voz. Muda o tom jogando com a duração, a frequência, o volume, o ritmo. Arfagens sobrepõem-se aos clássicos au-aus! Gemidos, resmungos, miados, ganidos, uivos, tosse… que repertório! Sem esquecer o latido que, rosnado, uivado, ganido, é o fruto de sábias misturas.

Esse concerto não é nenhum ato gratuito. Não é nem um grito comum, nem uma ameaça, como se tende a acreditar. Quando um cão late à chegada de um estranho, em sinal de advertência mas também para intimidar e esforçar-se para não ter medo, ele tem um desejo: que outros cães venham aos seu lado, assim como se faz no estado selvagem.

Existe uma categoria de cães denominada “cães de alarme”. Esses são cães de tamanho pequeno, ou seja, que não teriam capacidade de deter qualquer invasor, mas que são capazes de avisar seu dono sobre um invasor. Nem todos os cães são “programados” para morder e deter um invasor, mas existem raças programadas para avisar sobre tais invasores. Podemos demonstrar através de algumas raças.

Os cães da raça Lhasa Apso são pequenos cães peludos adaptados ao clima severo do Tibet. São cães programados para “avisar” os monges, em clausura, que havia a presença de estranhos. Isso é um comportamento de alarme. O mesmo comportamento é observado entre os Shi-Tzu. Possuo Fox Terrier de Pelo Duro e são excelentes cães de alarme. Atuam em conjunto com os cães de guarda, no meu caso Schnauzers Gigantes avisando os grandes da presença estranha. Assim, o que posso concluir é que um cão late muito pois está cumprindo sua função. Ele avisa que há algo estranho, que seu território está sendo invadido.

Assim, não fique bravo com seu cão se ele late demais, provavelmente ele escuta barulhos estranhos a ele e seria bom se você apresentasse a ele a origem de tais barulhos.

Quanto ao uivo, serve de ponto de localização. Em todo caso, é um modo de expressão dos mais contagiosos. Quando o cão uiva como louco, no inverno, no crepúsculo ou amanhecer, é porque ele quer ser tranquilizado, ele está carente. É só outro cão, a centenas de metros, responder a seus apelos, e o diálogo não tem fim. A sensação de solidão, o pedido de socorro são realmente percebidos no mundo canino. Tenho uma cadela que uiva como louca e ensinou a todos os outros a uivar também. Eu sei o que ela quer… que dormir dentro de casa, pena que ela é um cão de guarda. Assim, ouço a sinfonia, principalmente ao amanhecer.

Na companhia de seu dono, o cão tem outros motivos para latir: para saudá-lo, quando chega em casa, para convidá-lo para brincar porque está contente e também quando algo está errado na sua vida de cão. Resta a nós entender seu apelo. Tive uma cadela que, depois do macho ter morrido (de velho), não ficava mais sozinha em casa. Vizinhos reclamavam que ela chorava e uivava compulsivamente quando eu não estava em casa. Enfim não podia mais ficar sozinha. Resolvi então que ela ia comigo não importa aonde. Era bem engraçado pois muitos manobristas de estacionamento adoravam ela. Ela passava bastante tempo comigo dentro do carro. Meus vizinhos ficaram contentes e minha querida Elizabeth também.

O importante é você encontrar um modo de deixar seu cão feliz.


Veja outras opiniões, conte a sua também:


Veja também:


Matérias Relacionadas