Meu animal de estimação é gente? Vida Sim

A humanização dos animais de estimação é um problema universal na atualidade. Desde os primórdios da espécie humana, ela desenvolveu uma simbiose com os ancestrais do canis familiaris atual. Um ajudava ao outro e tal relação resultou em laços mais que utilitários, foram forjados laços emocionais. Atualmente tais laços chegaram a níveis de extrapolação, depositando em animais todas as frustrações, ansiedades e necessidades humanas.

Esse fenômeno é predominantemente referente a cães. Os gatos são mais territoriais. Todo proprietário de gato sabe como é mudar de casa – um inferno!.. Os gatos são da casa e os cães são do dono. Você pode sair que o gato fica numa boa; deixe seu cão em casa e verá o que acontece… Não é uma relação de afetividade… Seu gato te ama, mas ama mais seu território e nele ele é o rei. Já o cão, de seu jeito meio atrapalhado, adora o dono, a família, enfim, o humano relacionado a ele. Dele o cão depende para tudo, incluindo afeição e afirmação. Essa dependência, durante muito tempo, resultou em relações de trabalho muito úteis. Basta ver os cães pastores e seu trabalho insubstituível em campo; os cães de guarda que muitas vezes dão a vida para defender seus donos. Contudo, essa relação evoluiu para uma neurose coletiva assim como ocorreu com os seres humanos. Hoje,somos seres urbanos, muitas vezes solitários ou com problemas emocionais decorrentes desse mundo maluco no qual vivemos. Toda essa carga emocional dos tempos contemporâneos é “arremessada” em nossos amigos de quatro patas, que como imãs, assimilam tudo sem perceber.

Mas o que seria “humanizar” seu pet. Vamos fazer algumas perguntas:

você trata seu cão como gente? Isso não quer dizer que você converse com ele ou o afague, quer dizer se você não o pune quando faz algo errado ou se você o trata da mesma forma ou melhor do que trata seus filhos.

Você dá ao cão aquilo que você come? Se você tem uma péssima alimentação por opção sua o pobre animal também tem que manter seus péssimos hábitos? E principalmente, o que você quer de volta quando trata seu pet como gente: que ele haja como um humano? Que ele agradeça e demonstre que você é maravilhoso? ELES SÃO ANIMAIS!!!!! Os mais adoráveis do mundo, mas não pensam como humanos e não vão responder às suas necessidades emocionais imediatas como um ser humano.

Vamos pensar em alguns comportamentos atuais nos quais não consigo enxergar o menor sentido. Para que vestir um cão? Nada contra a indústria de roupas para pets, mas será que seu cão sente mesmo frio? Nossos invernos são amenos, embora não percebamos, mas vestir qualquer cão em temperaturas entre 15 e 20 graus é pedir para ter um problema de pele. Com exceção de algumas raças (bem raras) um cão não é gente – ELE NÃO PRECISA DE ROUPA! Gaste esse dinheiro em vários brinquedos e numa caminha confortável e limpa, garanto que ele vai gostar mais.

Muitos desvios de comportamento dos animais são resultado de nossa incapacidade de dizer “não” ou de nossa insistência em achar que esses animais “são gente”. Ser ríspido após uma desobediência pode ser muito custoso para nós pois “aquela cara de não fui eu” realmente é demais…

Há muitos casos em que pets, principalmente cães e gatos, apresentam doenças crônicas, sem origem aparente, e que refletem aquilo que seus donos mais temem para si próprios. Não há médico veterinário, tratamento ou remédio que dê jeito. Geralmente morrem após uma longa e sofrida convalescência de tratamentos caríssimos e ineficazes, resultantes da indústria medicamentosa dos tempos atuais. A doença desenvolve-se através de sua relação com o dono, não de causas patogênicas.

Os laços afetivos que desenvolvemos com nossos pets são, muitas vezes, incompreensíveis para os outros. Muitas vezes, nossos pets são o motivo pelo qual levantamos pela manhã e voltamos para casa. Mas não devemos depositar neles todas as nossas decepções, medos, receios e expectativas. Eles nos amam e dependem de nós para tudo, não pedem nada além de nossa atenção. Todo o resto que damos é uma recompensa para nós mesmos, satisfazendo a nós, não a eles.

Ame seu pet pelo que ele é e não pelo que você gostaria que ele fosse. Certamente não é perfeito mas é seu companheiro. Não faça de seu pet um Frankstein, você já sabe como a estória termina.


Veja outras opiniões, conte a sua também:


Veja também:


Matérias Relacionadas