Como anda seu conhecimento sobre as crenças populares? Vida Sim

Com certeza você já ouviu que é preciso observar as fases da lua na hora de cortar o cabelo, que o chiclete quando engolido fica sete anos no estômago, que passar embaixo de escada dá azar, assim como cruzar com o gato preto. Essas superstições surgiram há muito tempo atrás e disseminaram-se ao longo dos séculos, perdurando até os dias atuais.

De acordo com o dicionário Houaiss, crendice ou superstição, podem ser definidos como: “crença ou noção sem base na razão ou no conhecimento, que leva a criar falsas obrigações, a temer coisas inócuas, a depositar confiança em coisas absurdas, sem nenhuma relação racional entre os fatos e as supostas causas a eles associados”.

Preparamos uma lista com os misticismos mais comuns de acordo a sabedoria popular.
Aproveite para testar seus conhecimentos e entenda cada um deles.

1 – Cortar o cabelo de acordo com as fases da lua:



Se trata de um mito. Muitas pessoas acreditam que as fases da lua relacionam-se com os cortes de cabelo feito durante esses períodos. De acordo com as crendices e os misticismos, durante a Lua Nova (quando ela desaparece do céu), desaconselha-se cortar os cabelos, uma vez que se acredita haver uma renovação e nascimento de novos fios. A Lua Crescente contribui para um crescimento mais acelerado do cabelo, por isso é sempre a fase mais procurada.

A Lua Cheia é indicada para aqueles que possuem cabelos finos e mais ralos, pois durante essa fase, os cabelos crescerão mais lentamente e ficarão mais volumosos. E por fim, na Lua Minguante, o crescimento é lento e desacelerado, e ideal para quem possui os fios fracos e quebradiços. Mito ou não, recomenda-se sempre realizar cortes no período de três em três meses, pois isso evita a formação de pontas duplas e possíveis quebras.


2 – Urina alivia dor de queimadura de água viva:



De acordo com a crendice, urinar sobre uma queimadura de água viva, alivia consideravelmente a dor. Pelo contrário, tal prática pode contribuir para piorar a situação. Os nematócitos, responsáveis por liberar o veneno no corpo da vítima, quando em contato com a urina, podem inchar e liberar ainda mais veneno.

Nesse caso, a pessoa deve sair imediatamente da água, e lavar a região com água doce. Outra opção é utilizar o vinagre aliado com água, pois ele ajuda a desativar os nematocistos e a neutralizar a secreção. Algumas outras medidas ainda são necessárias como, compressas geladas e o uso de remédios, a fim de reduzir a dor. Para evitar futuras complicações, como inflamações locais e queimaduras de segundo grau, procure um atendimento profissional.


3 – Leite e manga, combinação fatal:



Tal afirmação não passa de um mito, a combinação de ambos não faz mal a saúde, e muito menos causa a morte. Essa crendice surgiu no tempo da escravidão, e disseminou-se aos longos dos anos, e até hoje se acredita fielmente a essa ideia.

Naquela época, o leite era um alimento muito caro, e existiam muitas mangas nas propriedades dos senhores de engenho. Para evitar que os escravos consumissem ambos os alimentos, eles inventaram essa desculpa.


4 – Gato preto dá azar:



Tal superstição remota a Idade Média, em especial ao período da Inquisição.

Naquela época, existia um estereótipo muito forte em relação às bruxas. Os hábitos noturnos, e os animais com pelos escuros eram associados a rituais demoníacos, as trevas, e a bruxaria.

Acreditava-se ainda, que as bruxas transformavam-se nos felinos. Juntamente com as feiticeiras, os gatos iam para a fogueira.


5 – Não pode engolir chiclete, pois ele fica grudado no estômago durante sete anos:



Outro mito, que provavelmente você já deve ter escutado da sua mãe. Assim como qualquer outro alimento, ele será expelido para fora do corpo.

O que pode ocorrer é o fato de que, após a absorção dos açúcares, determinadas partes do chiclete (resinas de goma) se movam no intestino. Esses resíduos poderão passar mais tempo (horas ou alguns dias), até serem expulsos do organismo.


6 – O número “13” dá azar:



Essa é uma das superstições mais difundidas no mundo. Existem diversas explicações para isso, porém a mais forte está relacionada ao surgimento do Cristianismo. Uma vez que Jesus foi crucificado em uma sexta-feira, e na véspera havia se reunido na última ceia com 12 apóstolos, anunciando que um deles o trairia.

Existem algumas outras lendas, como por exemplo, a da mitologia nórdica. De acordo com esta, Loki, o deus da trapaça, durante um banquete realizado para 12 convidados, invadi-o e matou o deus Balder, o qual era querido e respeitado por todos, garantindo assim, o status de azar ao número 13.


7 – A regra dos cinco segundos:



De acordo com essa “regra”, se a comida caiu no chão, e você a pegou de volta em um espaço de tempo equivalente há cinco segundos, você pode comê-la, pois ela ainda continua limpa.

Isso é um mito, pois qualquer alimento em contato com o chão fica contaminado, independente do tempo, uma vez que as bactérias já se encontram no local.

Tal atitude pode ser prejudicial ao organismo inclusive podendo gerar doenças.


8 – Espelho quebrado igual a sete anos de azar:



De acordo com a tradição, os espelhos são objetos que possuem forte ligação com a alma humana, ou seja, são reflexos da mesma.

Existe até a lenda de que os vampiros não conseguem ser vistos em um espelho, justamente por não possuírem alma.

Com isso, quando quebramos um espelho, acredita-se que a alma também seja quebrada. O sete representa o número de anos que ela demoraria para se regenerar.


9 – Passar por baixo da escada dá azar:



Outra superstição que vem do período da Idade Média. Naquele tempo, para se proteger dos ataques, os castelos levantavam as pontes e fechavam os portões. Desse modo, a única alternativa para a invasão era utilizar escadas.

Para se defender, eram jogados baldes de óleo quente naqueles que tentavam subir, consequentemente todos que se encontravam embaixo também eram prejudicados. A partir daí, a ideia ganhou forças e disseminou-se por séculos.

Até hoje existe o medo de passar por baixo de escadas, com o receio de que algo caia e nos atinja. Vale lembrar que essa crença ainda possui base em crenças religiosas, uma vez que quando encostada a parede, forma-se um triângulo, e a pessoa que passava sob ela, ofendia a chamada “santíssima trindade”.


10 – Só pessoas idosas sofrem com varizes:



Os trevos de quatro folhas são raros, uma vez que são resultados de alguma anomalia, que podem ser causadas em virtude de temperatura e irrigação.

Acredita-se que encontrar esses trevos traga sorte por dois motivos, a raridade, e a simbologia do número em questão. O quatro está associado à ideia de ciclo perfeito, ou seja, relaciona-se com as fases da lua, as estações do ano, os pontos cardeais, e os elementos da natureza.

Aproximadamente 300.a.C, representantes da sociedade celta disseminaram a lenda que ao encontrar um trevo de quatro folhas, você deveria presentear outra pessoa, esta, recebia quatro poderes para a vida: fé, sorte, esperança e amor.



Veja outras opiniões, conte a sua também:


Veja também:


Matérias Relacionadas