Salmão de cativeiro é colorido artificialmente para atrair consumidores Vida Sim

Mais de 70% do salmão consumido no mundo todo é criado em cativeiro, enganando a grande maioria dos consumidores que acreditam que eles sejam pescados e vindos do Oceano. Um dos grandes exportadores de Salmão de cativeiro é o Chile, que em 2011 chegou a produzir 700 mil toneladas e vender 90% do seu produto. O Brasil é o terceiro maior importador de salmão do Chile, perdendo apenas para os Estados Unidos e o Japão.

O salmão que consumimos não é natural. São criados em viveiros, dentro de enormes tanques recebendo luz artificial e são tingidos artificialmente através da ração que consomem, composta por altas doses de antibióticos, vermicidas e substâncias como astaxantina e cantaxantina, que têm como finalidade a apresentação de uma carne rosada, imitando o salmão natural – ou salmão selvagem. São efetivamente anestesiados e vacinados e, se o peixe apresentar algum parasita em seu processo de criação, ainda é levado a passar por processos de banhos químicos.

O salmão, que sempre foi indicado para alimentação por ser uma grande fonte de ômega 3, vitaminas A, D e E, hoje é visto como preocupação pelo fato do peixe consumido não ser o verdadeiro, e sim uma “adaptação” forçada de toneladas de peixes que são criados em condições duvidosas visando apenas um lucro milionário de produção e distribuição e não a qualidade do produto nem a saúde dos consumidores.

Uma publicação de 2008 do Greenpeace de Portugal alertou que se deve evitar a compra e consumo dos salmões de cativeiro por abusos como sobrepesca – quando milhares de outros peixes são mortos para a alimentação de somente uma espécie, além de mortes de pescadores em acidentes de trabalho e contaminação química das águas prejudicando e alterando a biodiversidade dos locais aonde os peixes são produzidos.


Veja outras opiniões, conte a sua também:


Veja também:


Matérias Relacionadas