Os perigos da tilápia Vida Sim

Um dos peixes mais consumidos em todo o mundo, a tilápia criada em cativeiro apresenta níveis muito baixos de ômega-3, o ácido graxo benéfico buscado no consumo de peixes. Ao mesmo tempo, esta espécie apresenta índices muito altos do ômega-6, segundo resultado de pesquisa realizada na Wake Forest University School of Medicine, dos EUA.

“Esta fonte de alimento pode resultar em uma combinação potencialmente perigosa, sobretudo para pacientes que possuem doenças do coração, artrite, asma e doenças alérgicas e auto-imunes”, afirmam os pesquisadores, apontando que essas pessoas são vulneráveis a respostas inflamatórias exageradas pelo organismo.

Inflamações como essa causam danos a vasos sanguíneos, além do coração, da pele, do pulmão, de tecidos das articulações e do trato digestivo.

O famoso peixe-gato

Peixe-gato Os perigos da tilápia Vida Sim

Os pesquisadores ainda afirmam que o peixe-gato, também criado em cativeiro “apresentam ácidos graxos característicos que são geralmente considerados pela comunidade científica como prejudiciais”.

Os níveis prejudiciais do ômega-6 encontrados na tilápia de cativeiro superam em até 80% as quantidades encontradas em uma porção de bacon ou em um hambúrguer.

Como escolher o peixe correto?

Qual peixe escolher Os perigos da tilápia Vida Sim

Quem busca no peixe uma forma de controle para as doenças inflamatórias, como as do coração, fica claro que a tilápia não é uma boa escolha, segundo o artigo. Em comparação, o potencial inflamatório de um hambúrguer ou de toucinho de porco se apresentam mais baixos que uma porção média de tilápia.

O ômega-3 possui grandes benefícios já bem conhecidos pela comunidade científica. A Associação Norte-Americana do Coração recomenda que cada indivíduo se alimente de pelo menos duas porções de peixe durante a semana, assim como pacientes do coração consumam pelo menos 1 grama por dos ácidos graxos ômega-3 conhecidos como EPA (ácido eicosapentaenóico) e DHA (ácido docosagexaenóico).

Mais peixe na alimentação

Mais peixes na alimentação Os perigos da tilápia Vida Sim

Segundo o estado, recomendações como a da Associação do Coração têm resultado no aumento do consumo de peixes como a tilápia, aumentando a ingestão dos ácidos graxos ômega-6.

Enquanto a tilápia apresenta menos de 0,5 grama de ômega-3 a cada porção de 100 gramas, outros peixes como o salmão e a truta, contêm 3 e 4 gramas, respectivamente. Apenas na tilápia a relação de ômega-6 é de 11 para 1 em relação ao ômega-3, enquanto no salmão e na truta se apresentam como 1 para 1.


Veja outras opiniões, conte a sua também:


Veja também:


Matérias Relacionadas