Os efeitos do glúten no organismo Vida Sim

Sabe aquela elasticidade encontrada na massa da farinha e a própria consistência dos bolos e pães? Então, elas são proporcionadas em virtude da existência do glúten. Ele é encontrado na semente de muitos cereais, sendo a principal proteína presente no trigo, aveia, centeio, cevada e malte. Ele vem ganhando personificação de vilão da nutrição e tem sido eliminado da dieta de muitas pessoas, uma vez que apresenta particularidades que o desfavorecem.

Segundo os médicos, o contato dessa substância com o intestino provoca um tipo de reação, onde o glúten transforma-se em uma espécie de cola, grudando nas paredes intestinais. Com o tempo, esse processo tende a acarretar em uma saturação do aparelho digestivo, aumentando a gordura abdominal, dores articulares, alergias cutâneas, enxaqueca e depressão.

O glúten possui dois grupos de proteínas, a gliadina e a glutenina. A segunda é responsável por acionar de forma mais intensa a resposta imunológica da doença celíaca, reconhecendo a proteína como inimiga e reagindo contra ela. Esse ataque atinge o intestino delgado e prejudica a absorção de nutrientes. Justamente por ser uma proteína de maior dificuldade de absorção por parte do organismo, muitas pessoas podem apresentar maior sensibilidade ou alergia ao glúten, resultando em efeitos prejudiciais a saúde, como diarreias e gases, porém nesses casos o intestino não sofre danos e não existe acometimento por uma doença crônica.

Existem diferenças entre aqueles pacientes portadores de doença celíaca e aqueles que apresentam hipersensibilidade ao glúten. Pacientes celíacos apresentam sintomas gastrintestinais mais pronunciados, como o caso de diarreia, constipação, inchaço abdominal e flatulência, atraso no crescimento e puberdade, má absorção de nutrientes, dentre outros. Já na hipersensibilidade, os sintomas são menos evidentes, como dores de cabeça, erupções cutâneas, problemas articulares, obesidade, fadiga crônica, doenças cardiovasculares, entre outros.

Separamos algumas questões mais frequentes em relação ao glúten para sanar as principais dúvidas, acompanhe:


1 – A dieta sem glúten é benéfica a todos?


Pessoas portadoras da doença celíaca ou hipersensíveis a esta proteína devem procurar por alimentos sem glúten, para manter o bem-estar. A medida é desnecessária para as demais pessoas, uma vez que conseguem digerir com facilidade, por exemplo, uma fatia de pão. Mas evitar alimentos que possuem glúten está ligado diretamente a diminuição de alimentos ricos em carboidratos, podendo assim contribuir para uma alimentação mais saudável e consequentemente uma perda de peso, lembrando que esta não se dá pela falta do glúten, mas sim a falta de carboidratos.


2 – O glúten engorda?


Em si ele não é calórico, porém associa-se a composição de alimentos ricos em calorias, como pizza, bolacha, molhos, pães.


3 – É possível desenvolver intolerância ao glúten na vida adulta?


A doença é genética e costuma aparecer por volta dos dois anos de idade, quando há o consumo de cereais por parte da criança. Em alguns casos ela pode se manifestar em adultos, com a possibilidade de que na infância já existisse, mas sem sintomas evidentes. A intolerância ao glúten diferentemente da doença celíaca pode surgir a qualquer momento, porém sua causa ainda é desconhecida.


4 – Como uma pessoa sabe se tem intolerância ao glúten?


Nesse caso a pessoa deve ficar atenta aos sintomas, como diarreia crônica, inchaço do abdomen, vômitos, enxaqueca, perda de peso e unhas e cabelos quebradiços, que em caso de doença celíaca manifestam-se quando a condição já atingiu o intestino e causou danos a função digestiva. Deve haver acompanhamento médico para um correto diagnóstico, o qual pode ser obtido através de exame de sangue e biópsia do intestino delgado. No caso da intolerância é constatada através dos sintomas, principalmente diarreia aguda e inchaço abdominal após ingestão da proteína.


5 – Alimentos com glúten viciam?


O glúten não causa dependência, desse modo, pacientes da doença celíaca ao retirarem a proteína de seu cardápio, não sofrem abstinência.


Veja outras opiniões, conte a sua também:


Veja também:


Matérias Relacionadas