O básico que você precisa saber sobre a hipertensão Vida Sim

Segundo os últimos dados revelados pelo Ministério da Saúde, 24,1% da população adulta brasileira é hipertensa. Apesar da doença atingir todas as idades, os casos mais comuns concentram na população obesa, com 50% do total, e em 60% da população brasileira com mais de 65 anos.

Mas o que é a hipertensão?

Popularmente conhecida por “pressão alta”, a hipertensão é caracterizada pelo estreitamento das artérias, que obriga o coração a bombear o sangue com mais força, promovendo a dilatação do coração e lesões nas artérias. Considera-se hipertensa a pessoa que pressão arterial acima de 14 por 9 (140 por 90 mmHG (milímetros de mercúrio)).

A Hipertensão pode ser categorizada em três estágios, de acordo com os níveis de pressão arterial:

Primeiro estágio: Hipertensão acima de 140 por 90 (14 por 9) e abaixo de 160 por 100 (16 por 10).

Segundo estágio: Hipertensão acima de 160 por 100 (16 por 10) e abaixo de 180 por 110 (18 por 11).

Terceiro estágio: Hipertensão acima de 180 por 110 (18 por 11).

Fatores de risco

Embora cerca de 90% dos casos de diagnóstico estejam relacionados a heranças genéticas, a doença também pode ser causada por distúrbios da tireoide ou em glândulas endócrinas(como a suprarrenal). Outros fatores que interferem nos níveis da pressão sanguínea, que são:

• Obesidade

• Estresse

• Consumo de bebida alcoólicas

• Fumo

• Excesso de consumo de sal

• Sedentarismo

• Diabetes

• Sono inadequado

• Sintomas

Geralmente a manifestação de sintomas da hipertensão manifestam-se em estágio avançado, sendo perceptível somente quando a pressão aumenta de forma abrupta e exagerada. Em algumas pessoas os sintomas se aparecem como dores no peito, dores de cabeça, tonturas, sangramento nasal, entre outras.

Tratamento

A hipertensão é uma doença crônica, sem cura, que somente poderá ser controlada com tratamento. O estágio da enfermidade determinará o tipo de tratamento adequado.

Nos casos de hipertensão leve, o tratamento poderá ser não medicamentoso, realizado apenas com a mudança de hábitos diários e emagrecimento do peso corporal. Por exemplo, perder 10% do peso corpóreo é um modo eficaz de reduzir os níveis da pressão, pois, a cada quilo eliminado, a pressão do hipertenso reduz de 1,3mmHg a 1,6mmHg.

Para os demais casos, o tratamento é realizado com medicações vasodilatadoras, que aumentam a capacidade de dilatação dos vasos complacentes, e busca estabilizar a pressão arterial em 12 por 8.

Possíveis complicações

Não pense que somente com os remédios os problemas da pressão arterial elevada serão resolvidos. O acompanhamento deverá ser regular, por meio de medidas de pressão e acompanhamento médico.

As principais complicações são AVC, por doença renal crônica ou por infarto do miocárdio. Além disso, a doença também pode levar a atrofia do músculo do coração, ocasionando arritmia cardíaca. A cautela deverá ser ainda maior quando houver combinação com algum dos fatores de risco, que elevam a gravidade da situação.

Como prevenir?

A melhor maneira para se prevenir do problema está na mudança de alguns hábitos:

- Caminhe com mais frequência, suba escadas e evite ficar parado.

- Resolva os problemas cotidianos de modo mais tranquilo.

- Reduza o sal dos alimentos.

- Busque uma alimentação saudável, rica em frutas, cereais integrais e laticínios com baixo teor de gordura.

- Diminua o consumo de bebidas alcoólicas.


Veja outras opiniões, conte a sua também:


Veja também:


Matérias Relacionadas