Água tem apresentado índices inapropriados de flúor em SP Vida Sim

O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP) realizou um levantamento em conjunto com o Centro Colaborador do Ministério da Saúde em Vigilância da Saúde Bucal (Cecol/USP), e o Laboratório de Bioquímica da Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Unicamp (FOP/UNICAMP).

Ficou constatado que da água utilizada pelos paulistas, 30% contém níveis inadequados de flúor. Especificamente 14,5% abaixo da concentração recomendada e 14% acima, variando de acordo com o local. O estudo mediu a qualidade da água de mais de 98% dos 645 municípios de São Paulo.

Ambas as situações citadas anteriormente oferecem riscos à saúde. O flúor quando utilizado em quantidades controladas, oferece benefícios à saúde dentária. Porém, nos casos onde a concentração encontra-se baixa, a proteção contra as cáries diminui. Já elevadas quantidades dessa substância podem desencadear o surgimento de fluorose dental, problema no qual os dentes apresentam manchas esbranquiçadas ou amareladas.

Considera-se ideal a quantidade de flúor que varie entre 0,6 a 0,8 miligramas por litro de água, de acordo com uma resolução estabelecida no ano de 1995, que determina obrigatória a adição de tais quantidades por todas as empresas de abastecimento de São Paulo, com o intuito principal de contribuir para a prevenção da cárie dentária. Essa medida atende os padrões recomendados pela Organização Mundial as Saúde (OMS), pela Organização Pan Americana de Saúde e pelo Ministério da Saúde.

Ainda sobre os resultados apontados pelo o estudo, municípios como Cesário Lange e Pereiras apresentaram quantia superior ao recomendado. Em contrapartida, Ipeuna, Luis Antônio, Morro Agudo, Nuporanga, Altinópolis, Analândia, Guatapará, Boa Esperança do Sul, Orlandia, Rio das Pedras e Pirajuí, demonstraram na análise concentrações inferiores de fluoreto. Apenas Campinas, São Paulo, Sorocaba, Dourado, Fartura, Jaboticabal e Macatuba possuem os índices aconselhados.

É muito importante que a fiscalização em relação ao processo de fluoretação da água seja ativa e constante. Pode-se comprovar a sua importância e contribuição através de dados emitidos pelo CROSP, que relatam que desde que esse processo se tornou obrigatório, os níveis de cáries no estado de São Paulo caíram drasticamente. Atualmente uma criança de doze anos tem em média dois dentes atingidos por cáries, enquanto no período anterior ao processo de adição do flúor, em média oito dentes eram acometidos.


Veja outras opiniões, conte a sua também:


Veja também:


Matérias Relacionadas