As regras do jogo Vida Sim

Brincar de ganhar e perder entre cachorros, é aprender a hierarquia. Com seus irmãos e irmãs, o cachorro adota uma variedade de posturas. Empurrões, cambalhotas, “sai daí que o lugar é meu” com um mês de idade, seu corpo não para de mover-se. Até o rosto é expressivo – acabou-se a máscara imóvel do bebê – arreganha os dentes, agita as orelhas, mexe os músculos faciais. Outros tantos sinais perceptíveis na vida em grupo.

Deitar-se de costas surte o maior efeito: todo o bando acode, pronto para armar o circo. Novamente com cinco semanas: brinca-se de soldado, mastigam-se as orelhas, segura-se pelo pescoço, mordisca-se o focinho (a boca é um poço sem fundo). É ao mesmo tempo a iniciação aos jogos de combate e o aprendizado das regras de vida em matilha. O cachorro testa as atitudes de dominância e submissão.

Se deitar no chão, patas traseiras afastadas, é que perdeu a batalha! Quantas sensações! A brincadeira, que gera empurrões e lutas corpo-a-corpo, revela os primeiros sinais de atividade sexual (o jovem macho balança a bacia).


Mudança de parceiros

O cachorro, filhote a partir dos 60 dias, quer brincar com o homem. Convida-o para partilhar seu delírio. Para convencer, lança mão de todas as manhas. Faz reverência, o olhar fixo no seu dono, bamboleia, dança. Lábios estirados na horizontal, maxilares levemente abertos – é a mímica do sorriso – emprega todos os segredos da sedução.

Caracola, contorce-se, salta, pula… Conquistados, nós brincamos com a bola. Ele pega-a e traz de volta. Joga-se um pedaço de pau, que ele agarra entre os dentes, leva longe e não solta mais.

O jogo, que estabelece as bases da hierarquia entre cães, evita as brigas a dentadas e atenua as tendências agressivas, reforça a cumplicidade com o dono. Prazer esse que vem para ficar, pois no cão, o desejo de brincar cresce com a idade.


Com a chegada da idade

Muitas vezes, alguns donos, acham que seus animais perdem com o tempo essa alegria de brincar. Mas é um ledo engano. Muda apenas a quantidade de esforço despendido nas brincadeiras. Um cão mais velho ou idosos quer brincar, mas como nós, o corpo não acompanha muito bem. As brincadeiras ficam mais lentas ou o tempo de duração de uma “folia” fica mais curto. Tenho cães de todas as idades e posso garantir que todos gostam de brincar, mas cada um de acordo com sua idade.

Um cão de um ano, é um adolescente e brinca bastante, mas é dispersivo e qualquer outra coisa que lhe chame a atenção vai leva-lo a uma nova aventura. Já um cão idoso brinca menos, mas estará muito satisfeito se estiver dormitando ao seu lado a maior parte do tempo. O importante é perceber, durante toda a vida de seu amigo, aquilo que o deixa feliz, e com certeza, será sua companhia brincando ou apenas afagando.


Veja outras opiniões, conte a sua também:


Veja também:


Matérias Relacionadas